Taxa extra na conta de luz deve durar até novembro, por conta da estiagem

Notícias

Taxa extra na conta de luz deve durar até novembro, por conta da estiagem

"Sem chuvas, o ONS é obrigado a acionar usinas térmicas, que são mais caras."


Brasil


   A estiagem prolongada deve demandar a cobrança de taxa extra na conta de luz até o fim do chamado período seco, no fim de novembro, afirmou o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Eduardo Barata. Segundo ele, o mês de julho teve o pior nível de chuvas da série histórica, iniciada em 1931, e não houve melhora no início de agosto.

   O custo das térmicas já vem sendo pago pelo consumidor desde maio, quando foi acionada a bandeira amarela, que acrescenta à conta de luz R$ 1 real a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A partir de junho, começou a vigorar a bandeira vermelha nível 2, de R$ 5 reais a cada 100 kWh. A decisão sobre qual bandeira acionar é tomada mensalmente pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

   Diante da seca, há usinas a diesel e óleo combustível, mais caras e poluentes, em operação. A previsão do ONS é que os reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste, principal caixa d'água do setor elétrico brasileiro cheguem ao fim de novembro com, no máximo 20% de sua capacidade. O valor é semelhante ao registrado no mesmo período do ano anterior, mas é metade do projetado no início de 2018.

   O consumidor brasileiro enfrenta outra ameaça de aumento na conta de luz, devido à proposta de revisão, pela Aneel, do orçamento da CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), encargo cobrado nas tarifas. A Aneel prevê gasto adicional de R$ 1,4 bilhão neste ano, além dos R$ 18,8 bilhões já aprovados, para ajudar a bancar a operação das distribuidoras da Eletrobrás e reconhecer incentivos dados à energia eólica.

 

 

 

 

Fonte: Bem Paraná 


09/08/2018
08:12